domingo, 29 de novembro de 2009

da vida real



Igrejinha no interior de Cruzeiro do Sul

“O preço do curso sobre Oração e Jejum não inclui a comida.”

Lá do blog da laura: http://www.lauramertenpeixoto.blogspot.com/
(da série: Avisos Paroquiais)

do picadeiro


Maggie Taylor (imagem)

Insegurança, s.f., é um circo onde somos tudo: equilibrista, palhaço, engolidor de facas, fera, domador, mulher barbada e trapezista. Só não somos dono do circo.
(A definição é lá do blog da Ticcia)

Sigo com um tanto de segurança e descrença porque sempre desconfio que o dono do circo é uma piada (sim, no mau sentido).

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

o mundo é gratinado

hoje fui a Porto Alegre com a minha mãe.
depois do essencial, fomos ao shopping.
maravilha comprar roupa para a minha mãe: sabe aquela mulher em quem tudo fica bem, que tudo cai e fica elegante? é, minha mãe. (ser magra e malhada tem muitas vantagens... ôoo se tem! - ela compra um vestido na C&A e parece alta costura)

mas, o desespero foi na hora de lanchar.
minha mãe não come lactose e TUDO neste mundo tem queijo.
é ricota, é requeijão, queijo lanche, catupiry, mozzarella.

após passarmos toda a praça de alimentação com a pergunta fatal: tem alguma coisa sem queijo?
compramos um sanduíche no burger king e pagamos um real para que o queijo fosse retirado... (e estava ótimo!)

se a honestidade estivesse para o mundo como o queijo... eu estaria satisfeita!

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

das previsões

eu continuo lavando a louça com a torneira aberta.
sigo reclamando do calor.
continuo adorando todas as chuvas e temporais.
às vezes falo mal dos outros.
quase sempre penso em me esconder no meio do mato.
tô tentando resistir à lactose, mas nunca resisto aos queijos.
todos os dias durmo com o cabelo molhado.
sempre eu passo sono.

mas, Papai Noel vai me trazer a biografia "da minha" Clarice Lispector e eu vou me salvar.

amém

domingo, 15 de novembro de 2009

então, é natal!




papai noel.

não vou começar escrevendo sobre o meu comportamento, até porque a justiça sempre é burocrática e demorada. (e a paciência anda me fazendo uma falta danada)

li estes dias no jornal um manual sobre como ser um bom papai noel. e percebi que nunca encontrei um bom papai noel (a começar pelo abraço cheiroso)...
se nem papai noel segue o manual... eu me sinto timidamente perdoada pelo meu comportamento.

não, não acho que é cedo.
o senhor não faz idéia do quanto preciso de férias.
o melhor do natal pra mim sempre são as férias que seguem depois.

então vamos lá.

pro ano que vem eu preciso de coisas bem básicas.

- mais silêncio
- mais paciência
- mais horas de sono
- menos lides domésticas
- menos dias de calor e frio intensos (por volta dos 20 graus eu sempre sou uma menina melhor)
- menos cabelos brancos
- mais dinheiro
- mais feriados
- menos rinite
- menos 7 kgs
- milhares de hora de ócio
- 754 pacotes de clight sabor abacaxi com hortelã
- 53 bombons ouro branco
- encontrar mais pessoas nas quais consigo me encontrar
- 1 par de havaiannas pretas - eu comprei um par branco e amarelou
- 1 par de tênis preto
- 1 par de tênis branco
- 1 vestido que não pareça um capa de liquidificador
- 1 perfume masculino
- 1 perfume feminino
(eu gosto de perfume, mas não tenho muito jeito com eles)

clarice lispector (hoje e sempre)

de repente eu me vi e vi o mundo. e entendi: o mundo é dos outros. nunca meu.

por medo da loucura renunciei a verdade. minha idéias são inventadas. eu não me responsabilizo por elas. e o mais engraçado é que nunca aprendi a viver. só sei ir vivendo. eu tenho medo do ótimo. sempre que fica ótimo eu dou um passo para trás.

in: um sopro de vida (pulsações)

vez em quando

vez em quando eu sonho que vôo.
vez em quando eu sonho que posso nadar pelas ruas ao invés de caminhar.
vez em quando eu sonho que sou agressiva com quem não gosto.
vez em quando eu sonho que como umas coisas deliciosas e quando acordo acho graça de não ter ingerido nenhuma caloria.
vez em quando eu sonho que entro nas cenas dos meus filmes preferidos.
vez em quando não é bom acordar.

vez em quando eu quase entendo porque tenho mais cabelos brancos de um lado da cabeça.
vez em quando alguém pede pelo silêncio que ando precisando.

vez em quando é sem ritmo e sem vez, feito eu.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

sempre tem alguém que sabe o que é melhor pra mim!

"pele muita clara que fica vermelha e nunca bronzeia", é assim que o protetor solar define a minha pele.
as camas de bronzeamento artificial eram a minha única chance de não reluzir de tão branca no verão.
a minha única chance de não precisar passar protetor solar (sem esquecer das orelhas e dos pés) para ir tomar um picolé na esquina.
minha única chance de não tomar um torraço e perder dias e dias de verão.
na cama de bronze eu sempre sabia a medida, já com o buraco da camada de ozônio o furo é bem mais embaixo.

mas, o que mais me incomoda é a proibição.
além de sempre ter alguém que sabe o que é melhor para mim, eu não tenho nem mais o direito de não querer este melhor.
(diga-se de passagem que eu sei que são poucas pessoas que realmente desejam o melhor para mim. é aquela coisa do encalhe de tamiflu e o governo se preocupar com a gripe do porco...)

sem falar que o melhor da ciência é mais efêmero do que um bronzeado. desde que eu nasci (e eu ainda nem pinto os cabelos) a carne de porco e os ovos de galinha já foram diversas vezes vilões e herois na nossa alimentação.

e o cigarro?
já foi comprovado que só faz mal e ninguém proíbe.
é, as fumageiras rendem aos cofres públicos.
o governo sempre define o que é melhor para mim de acordo com o que rende mais para ele (ou alguém protegido por ele).

e se eu morrer de câncer, a culpada maior não será apenas a cama de bronzeamento...
mas, o peso de cada ideal desacreditado.
a revolta dos meus impostos nunca sendo revertidos para suprir os meus direitos básicos.
o esforço que eu faço para pagar plano de saúde particular, seguro do carro particular, seguro da casa particular...
simplesmente porque eu sei que o melhor para mim é não mais acreditar que na estrada há aqueles que sabem o que é melhor para mim (estrada esta que nunca está em boas condições, apesar do IPVA e de tantos pedágios...).

domingo, 8 de novembro de 2009

das citações

"O pecado não me constrange, o que me constrange é explicá-lo”

“Literatura é educar para o avesso. Quando educa para o conhecido, já é sermão”

“Tire também a roupa de suas palavras”

“O poema é uma profecia fracassada: valoriza o que não aconteceu”

“O tédio é uma tristeza que não sonha”

“O Twitter é um torpedo que a gente manda a si mesmo. E vai respondendo”

CARPINEJAR

sábado, 7 de novembro de 2009

das (não) motivações


salto alto é fora do meu universo.
é daquelas coisas que eu não entendo e não uso.
claro que eu já usei, mas só quando muito necessário.
e nas raras vezes eu preciso saber que há possibilidade de sentar e tirar o sapato embaixo da mesa.

então, esta ilustração é pra eu mesma aceitar que eu tenho TODOS os motivos...

das condições


(a preguiça nem precisou de desculpa...)

das coisas que eu não consigo

eu li "sobreviventes".
eu li um outro que não lembro o título, um psicólogo num campo de concentração.
o Cris está lendo "fome", e o personagem já passou 4 dias sem comer, até já mordeu o dedo para chupar um tanto de sangue.
eu sei que dá para sobreviver com 500 calorias por dia.
mas pra mim, um dia com menos de 1700 calorias simplesmente não existe.